Simone Tebet acaba de fechar a equipe que vai detalhar suas propostas e agir como porta-vozes para os diversos temas da campanha.

É um time eminentemente técnico — cuja mera existência contrasta com a ausência de algo parecido nas duas campanhas favoritas – com alguns nomes de muito peso e outros menos conhecidos.

O programa de governo da candidata do MDB, PSDB e Cidadania será coordenado pelo ex-governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto.

As diretrizes econômicas estão, desde o início, a cargo de Elena Landau, que já articulou a ideia de que um Governo Tebet estaria ancorado em questões “sociais, ambientais e de governo” – um ESG com significado próprio.

“Reforma tributária, desestatização, regras fiscais… tudo isso é parte do programa, mas é tudo a base para consguirmos desenvolvimento social, combate à desigualdade e recuperação ambiental,” Elena disse ao Brazil Journal.

Na Agricultura, Tebet será assessorada por José Roberto Mendonça de Barros, o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda no Governo FHC e sócio da consultoria MB Associados.

Nos temas de Ciência, Tecnologia e Inovação, a campanha terá Pedro Wongtschowski, o chairman da Ultrapar, e Susana Kakuta, uma especialista em inovação ligada à UNISINOS.

A campanha recrutou o economista José Guilherme Almeida Reis – com passagens pelo BID e Banco Mundial – como seu cérebro para a estratégia de Comércio Internacional.

O Desenvolvimento Social está a cargo de Laura Muller Machado, a Secretária de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo e que trabalhou anos com Ricardo Paes de Barros, o maior especialista do assunto.

Laura trabalhará em conjunto com Wanda Engels, uma figura importante na criação da política de transferência de renda no FHC e que implementou o Cadastro Único.

As propostas para a Educação estão com o ex-senador José Fogaça e Rossieli Soares, que foi ministro da Educação no Governo Temer – aquele do qual todos temos saudades.

Na Energia e Saneamento, Tebet conta com Jerson Kelman, cuja vasta experiência no setor inclui ter sido CEO da Sabesp.

As propostas para a Indústria estão com José Roberto Mendonça de Barros e João Fernando Gomes Oliveira, que preside o Conselho da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) e foi diretor presidente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

Candido Bracher, o ex-CEO do Itaú, e Pedro Passos, um dos fundadores da Natura e co-chairman do conselho, trabalham juntos nas propostas para o Meio Ambiente.

A campanha também trouxe Marcelo Trindade, o advogado e ex-presidente da CVM, para uma agenda de modernização do mercado de capitais.

Na Infraestrutura está Claudio Frischtak, o ex-consultor do Banco Mundial e do BID e hoje sócio da Inter.B, que faz assessoria econômica, estratégica e financeira a empresas e governos.

A política macroeconômica está com Edmar Bacha, membro da equipe que criou o Plano Real, enquanto Elena Landau está a cargo da Reforma do Estado – com foco numa transformação digital. Ela tem falado em recuperar o Ministério do Planejamento e Orçamento, continuar a desestatização e priorizar a reforma tributária.

Na Saúde, Tebet está sendo assessorada por João Gabbardo dos Reis, que foi secretário-executivo de Luiz Henrique Mandetta no Ministério, e por Beatriz Tess, uma epidemiologista experiente que já trabalhou com os ministros José Serra e Barjas Negri.

Reforma tributária? A especialista é Vanessa Canado, que foi assessora especial do Ministro Paulo Guedes para assuntos relacionados à reforma tributária entre 2019 a 2021 – que culminou na PEC 45 – e integrou o Centro de Cidadania Fiscal, o think tank de Bernard Appy.

Nas Relações Internacionais, a campanha tem o embaixador José Alfredo Graça Lima, cuja carreira foi voltada à diplomacia comercial e a negociações, atuando na Rodada Uruguai, que reformulou as regras multilaterais de comércio e da criação da própria Organização Mundial do Comércio (OMC).

Tebet também está colocando ênfase nos temas de trabalho e produtividade com dois nomes do Rio: Fernando Veloso e Fernando de Holanda Barbosa Filho, ambos ligados ao Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) e à Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE) da FGV/RJ.

Finalmente, a tentativa de transformação digital do Estado brasileiro está com Silvio Meira, uma das maiores autoridades no assunto e um dos pais do Porto Digital de Recife, e Pablo Cerdeira, um sócio do Galdino & Coelho Advogados que tem focado na evolução do Direito nos temas de tecnologia.