Na sua terceira aquisição este ano, a Ânima acaba de comprar a Unicuritiba por R$ 130 milhões, fazendo sua entrada no Paraná por meio de uma instituição de renome na área do Direito. 

Com 5,2 mil estudantes, dos quais 60% em Direito, a Unicuritiba é a sétima instituição que mais aprova no exame da OAB no País e responsável pela formação de grande parte dos juízes, desembargadores e procuradores do Paraná. (O ministro da Justiça, Sérgio Moro, leciona no Mestrado)

A instituição — que deve faturar R$ 78,7 milhões neste ano — oferece ainda cursos como Relações Internacionais, Análise de Sistemas, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Civil, Marketing e Psicologia. O tíquete médio é de R$ 1.297/mês. 

Do valor total da aquisição, R$ 110 milhões serão pagos em dinheiro e R$ 20 milhões em ações. 

A Unicuritiba é a segunda instituição da capital paranaense que troca de mãos em menos de uma semana. Conforme antecipado pelo Brazil Journal, a Cruzeiro do Sul fechou a compra da Universidade Positivo por cerca de R$ 500 milhões no último dia 6. 

A Ânima chegou a olhar a Positivo, mas deixou a mesa por conta de preço. 

“Nas três aquisições que fechamos, não foi um processo competitivo”, disse o chairman da Ânima, Daniel Castanho, ao Brazil Journal. “São pessoas que querem vender, mas que querem vender para alguém que possa levar diante seu legado e continuar a história”. 

A Ânima já tem uma atuação tímida em Curitiba por meio da Unisociesc, que é mais forte em Santa Catarina. 

Fundada na década de 1950 pelo jurista Milton Vianna como a primeira universidade privada de Direito do Estado, a Unicuritiba ganhou tração e e expandiu para outras áreas sob o comando de seu filho Milton Vianna Filho. A universidade ainda estava nas mãos da família: a gestão é profissional, mas os quatro netos do fundador e sua nora, Maria Cianci Vianna — a Dona Lili —, estão no conselho. 

Dentro da Ânima, a instituição traz sinergias e deve reforçar o portfólio da Escola Brasileira de Direito (EBRADI), de ensino à distância de direito, que conta com cerca de 7 mil alunos. Além disso, a companhia vê potencial para expandir o portfólio para outras áreas do conhecimento. 

A aquisição da Unicuritiba segue a estratégia da Ânima de crescer via M&As, comprando instituições âncoras que funcionem de polo para expansão regional. 

Depois de focar no crescimento orgânico, com abertura de 22 unidades desde 2016, a companhia começou um novo ciclo de expansão com a compra da UniAGES, em agosto, por R$ 150 milhões. 

Há um mês, a Ânima anunciou um investimento de R$ 300 milhões que lhe dá uma opção de compra da Unisul ao fim de 2020. 

“Nossa estratégia é buscar essas preciosidades que muitas vezes estão fora do mainstream”, diz Castanho. “Todo mundo olha as dez, vinte maiores instituições do País, que exatamente por serem muito grandes muitas vezes demandam transformações mais complicadas”. 

Neste ano, a Anima acumula alta de 40% na Bolsa e negocia a um valor de mercado de R$ 2 bi, equivalente a 19 vezes o lucro estimado para 2020.