O UOL Edtech acaba de comprar a Passei Direto, a primeira aquisição desde que a empresa de educação do Grupo UOL recebeu um investimento do Softbank, e um movimento que marca sua entrada de fato no mercado B2C. 

A aquisição envolve 100% da Passei Direto — uma plataforma que conecta estudantes com produtores de conteúdo — e foi paga majoritariamente em ‘cash’. 

Os fundadores Rodrigo Salvador e André Simões continuarão como executivos do UOL Edtech e a aquisição deve ser a primeira de uma série, o CEO Alex Augusto disse ao Brazil Journal

Em dezembro, o UOL Edtech levantou uma rodada de tamanho não revelado com o Softbank e a Volpe Capital para acelerar seu crescimento com vistas a um IPO nos próximos anos. Parte importante do capital será usada em M&As. 

A compra deu saída a todos os fundos que investiam na Passei Direto: Redpoint eventures, Valor Capital, Península Participações, Crescera, Grupo Xangô Tecnologia e Endeavor Catalyst, além da Chegg, a gigante americana de edtech.  

A transação coloca em evidência mais um negócio do conglomerado de Luiz Frias, cuja joia da coroa é a PagSeguro, que vale US$ 16 bilhões na Nasdaq.

Fundado em 2018, o UOL Edtech surgiu para reunir numa única empresa as diversas startups de educação compradas pelo UOL entre 2013 e 2016. No período, o grupo adquiriu cinco empresas — a maior delas foi a Ciatech, fundada por Alex em 1996.

O UOL Edtech tem geração positiva de caixa desde o início e opera com margem EBITDA de mais de 30%. A empresa cresceu a receita líquida em 55% no ano passado e espera manter o ritmo este ano. 

Alex disse que um IPO “evidentemente faz parte da visão estratégica da empresa”, mas neste momento o foco é continuar crescendo.

Até agora, o UOL Edtech operava praticamente só no B2B, com duas verticais de negócios: um serviço de educação que treina colaboradores de mais de 400 grandes empresas; e o chamado online program management (OPM).

No OPM, o UOL Edtech fecha parceria com instituições de ensino como a FIA, a PUC-RS e a UNESC num modelo de revenue share. A instituição cuida da parte pedagógica e o UOL Edtech opera toda a parte digital, da captação de alunos ao desenvolvimento do app usado nas aulas, passando pela gestão das redes sociais. 

“A maioria dos EADs só pega o modelo da educação presencial e replica no digital… é simplesmente sair de um canal e ir para outro. O que fazemos é repensar todo o modelo de negócios e usar a tecnologia para melhorar a experiência e deixar o aluno ter o controle sobre a gestão do seu tempo,” diz Alex. 

A compra da Passei Direto cria uma terceira frente dentro da empresa — cursos e conteúdo diretamente ao consumidor final — fechando o ecossistema e colocando o UOL em todo o ciclo de vida do aluno: do ensino fundamental à especialização. 

A Passei Direto tem mais de 4 milhões de usuários ativos, dos quais 200 mil são pagantes. A plataforma opera num modelo freemium: o usuário tem direito a três conteúdos gratuitos por mês e, para acesso ilimitado, precisa pagar uma assinatura mensal ou anual. 

A startup começou focada em alunos de ensino superior, que ainda respondem por 60% dos usuários, mas vem entrando com força no ensino médio e fundamental. 

Como ela não produz nenhum conteúdo (operando apenas como plataforma), Alex diz que é muito fácil expandir para outras áreas de ensino, já que basta cadastrar outros produtores de conteúdo. “O poder de escala deles é gigantesco.” 

 O BMA Advogados assessorou a Passei Direto. A Madrona Advogados assessorou o UOL Edtech.