O Santander anunciou hoje Andrea Orcel, o head de investment banking do UBS, como seu próximo CEO global – num movimento que surpreendeu o mercado e redesenha a liderança de dois dos maiores bancos da Europa.

O executivo de 55 anos vai substituir José Antonio Alvarez, que comandava o banco espanhol desde 2015 e agora assumirá o cargo de vice chairman do grupo. Orcel deixa o UBS na semana que vem, mas só deve assumir a nova função no início de 2019. 

O movimento sinaliza uma possível mudança no modelo de gestão do Santander.

Até agora, a controladora e chairwoman do grupo, Ana Botín, tem concentrado o poder de decisão, enquanto o papel do CEO tem sido mais administrativo. Com a indicação de Orcel, a leitura no mercado é de que essa dinâmica tende a mudar.

Italiano casado com uma portuguesa, Orcel entende português e é conhecido por uma personalidade forte e por fazer mudanças frequentes em sua equipe.

Seu relacionamento com o Santander vem de longa data. Antes de ingressar no UBS, ele trabalhou mais de 20 anos na Merrill Lynch, onde, como head da área de instituições financeiras, tornou-se particularmente próximo a Emilio Botín e assessorou diversas operações do Santander.

Uma das maiores e mais conhecidas foi a compra do ABN Amro, em 2008 – pouco antes de estourar a crise do subprime e após uma longa disputa com o Royal Bank of Scotland e o Fortis. A operação foi fundamental para ampliar a presença do Santander no Brasil.

Foi de Orcel a ideia de fazer o IPO do Santander Brasil, uma forma do banco monetizar seu investimento gigantesco no País.

No UBS desde 2012, Orcel era um dos candidatos à sucessão de Sergio Ermotti – mas não era exatamente o favorito: o banco tende a privilegiar seus profissionais de ‘wealth management’ na hora de escolher o CEO.

Na foto abaixo: Andrea Orcel (à esq.), Ana Botín e José Antonio Alvarez