A área de multimesas da Itaú Asset Management acaba de atrair um grupo de cinco gestores e analistas do Opportunity.

O time, liderado por Bruno Bak, trabalhava junto há mais de 10 anos na gestora de Dorio Ferman, e agora vai montar uma nova família de fundos chamada Artax, que terá desde multimercados macro até fundos de renda fixa. 

Além de Bak, a Artax será composta por Stefano Miagostovich (equities), Lorenzo Barcellos (equities), Felipe Araújo (equities) e Daniel Brum (macro). 

Também integrarão o time Anderson Tadao, que já era do Itaú, e Mário Lourenço, que acaba de deixar a Polo Capital.

No Opportunity, os cinco tocavam quase todas as estratégias do fundo offshore Unique, exceto a parte de equities global. Desde 2017, o Unique teve um retorno de 43%, contra 7,3% de seu benchmark, a Libor. 

O multimesas é uma plataforma que permite ao Itaú atrair talento externo oferecendo um pacote que inclui captação, equity no resultado e a possibilidade de ter o Itaú como sócio numa eventual saída. 

Criado em 2020 com base na experiência de hedge funds como Millennium e Point72, o multimesas já tem R$ 83 bilhões sob gestão em 14 estratégias.

A Artax será a quinta estratégia macro, e a família de fundos mais agressiva do portfólio, o CEO da Itaú Asset, Carlos Augusto Salamonde, o “CAS”, disse ao Brazil Journal.

O multimercado da Artax deve operar com uma volatilidade de cerca de 18%. Para efeito de comparação, o fundo com mais vol da família Optimus — liderada por Marcelo Mendes, que deixou a Bahia Asset há um ano para se juntar ao multimesas — tem volatilidade em torno de 12%. 

“Temos visto um apetite bem grande [dos clientes] por fundos com volatilidade alta,” disse Carlos, notando que a Optimus bateu R$ 35 bilhões de captação em apenas um ano.

Segundo ele, a Optimus já atingiu sua capacity máxima, o que gerou a oportunidade para uma nova família de multimercados macro. 

Para que os fundos da Artax comecem a rodar, o Itaú deve colocar cerca de R$ 10 bilhões em seed money por meio de realocações internas. Na sequência, vai distribuir os fundos em suas plataformas. CAS estima que a Artax atinja cerca R$ 20 bilhões em ativos sob gestão em um ano. 

A Itaú Asset tem R$ 830 bilhões em recursos sob gestão.