A Blackstone e a Global Infrastructure Partners (GIP) fizeram uma oferta pelo controle da Kansas City Southern, uma operadora de ferrovias que vale US$ 17 bilhões na Bolsa de Nova York e exerce um papel essencial no comércio entre EUA e México. 

Segundo o The Wall Street Journal, que deu a notícia em primeira mão, a ferrovia já havia recusado uma proposta anterior dos fundos, que enviaram uma nova proposta hoje. 

A ação fechou em alta de mais de 5% depois que a notícia começou a circular.

Em julho, quando o WSJ deu a primeira notícia sobre o interesse da Blackstone, o papel disparou de US$ 153 para US$ 194.

A KCS é a quinta maior ferrovia de cargas dos EUA e opera um trecho que liga o Kansas até o norte do México, atravessando o Texas.

São os trens da KCS que transportam os automóveis e produtos industriais produzidos no México até o Meio-Oeste americano. Ao mesmo tempo, é ela que leva boa parte dos produtos agrícolas das fazendas dos EUA até o país vizinho.

A KCS também opera uma linha ferroviária próxima ao canal do Panamá.


Nos últimos anos, as operações de M&A estão bombando nos trilhos. 

Recentemente, a Brookfield e o GIC (o fundo soberano de Cingapura) pagaram US$ 8,4 bilhões pela Genesee & Wyoming, numa aquisição que tirou a empresa da Bolsa. A própria Genesee — uma holding com participações em 116 ferrovias nos EUA e Europa — tem sido uma consolidadora ativa do setor, comprando ferrovias de linha curta e regionais. 

Se concretizada, a compra da KCS seria a maior transação no setor de ferrovias desde que Warren Buffett comprou a Burlington Northern Santa Fe em 2009 num negócio de quase US$ 36 bi.