Talvez seja melhor os EUA não reabrirem para brasileiros tão cedo.

Os EUA registraram 100.000 novos casos de covid só na sexta-feira, ultrapassando uma barreira vista pela última vez no início do ano.  

A média de sete dias empinou com vontade: nas últimas duas semanas, o número de casos dobrou em mais de 40 estados, com a variante Delta se provando uma das mais contagiosas da história.

Na Flórida, mais pessoas testaram positivo para covid neste fim de semana do que em qualquer ponto da pandemia, e hospitais em Orlando e Jacksonville estão quebrando os recordes de ocupação anteriores.

E a coisa ainda vai piorar.

“Até o Labor Day (6 de setembro), o número de casos crescerá para mais do que o dobro do que o País viu no pior ponto da pandemia, em janeiro deste ano,” disse o Dr. Michael Saag, professor de medicina e doenças infecciosas da Universidade do Alabama em Birmingham, numa entrevista à NBC News. “É isso que vamos enfrentar, e as pessoas não estão preparadas para isso.”

No Texas, hospitais estão tentando achar enfermeiras e outros funcionários, mas “eles não estão conseguindo, mesmo aumentando a oferta salarial dramaticamente,” o prefeito de Austin, Steve Adler, disse à NBC.

Cerca de 40% dos EUA — 100 milhões de pessoas — ainda não estão vacinados, e os sem-vacina respondem por mais de 90% das internações por covid.  

Os hospitais que podem estão abrindo novas UTIs para covid, e reportam que os pacientes estão ficando “sicker, quicker” — praticamente o novo refrão da comunidade médica.

A boa notícia: a taxa de vacinação dobrou semana passada em vários hot spots, com a evidência de uma nova onda avassaladora demovendo os negacionistas e convertendo os céticos.  

A FDA disse que está correndo para mudar o status da vacina da Pfizer de “emergency approval” para aprovação final.

Enquanto isso, o Lollapalooza, que estava rolando em Chicago desde quinta-feira, terminou ontem. As imagens aéreas mostravam todo mundo colado.

 

O gráfico abaixo mostra o número de novos casos por dia (barra azul) e a média móvel de 7 dias (linha vermelha). Fonte: CDC