Rodrigo Galindo está deixando o comando da Cogna depois de 11 anos e passará a ocupar a presidência do conselho, a companhia anunciou agora à noite.

Ele será substituído por Roberto Valério, que tem oito anos de casa e é o atual CEO da Kroton, a principal unidade de negócios da empresa.

A substituição é uma renovação necessária numa companhia que experimentou a glória no mercado durante os anos FIES – e ainda está tentando reinventar seu modelo de negócios desde então.

Galindo sempre foi um CEO respeitado, mas a dificuldade de viabilizar o modelo sem FIES desgastou a percepção do mercado sobre ele e a empresa. Apesar das repetidas promessas de melhora na rentabilidade e geração de caixa, a ação da Cogna hoje negocia na mínima histórica.

A empresa disse que Galindo passará a exercer um papel estratégico para o crescimento da companhia e seu processo de digitalização. 

O processo sucessório começou em 2018 – quando Galindo manifestou a intenção de focar na estratégia – avançou em 2019, mas foi interrompido em 2020 por conta da pandemia. 

“Esperamos o momento certo para implementar essa mudança,” Galindo disse no Fato Relevante. “A companhia entregará um importante crescimento de rentabilidade em 2021, tem fundamentos sólidos e as perspectivas são bastante favoráveis.”

Valério, o novo CEO, se juntou à Cogna em 2014 na fusão com a Anhanguera, onde trabalhava há três anos. Antes, passou 11 anos na DIRECTV, onde trabalhou nas áreas de marketing, operações e planejamento em quatro países onde o grupo tinha operações. Na Cogna, liderou o processo de turnaround da Kroton e participou do desenho da estratégia digital da empresa.

Valério tem a mesma idade de Galindo (45 anos) e um perfil muito voltado para dentro da companhia, “exatamente o que a Cogna precisa,” disse uma pessoa com trânsito dentro da companhia. “Essa empresa vai ter que fazer entregas relevantes antes de alardear a volta aos dias de glória.”

No comunicado agora à noite, Valério disse que “os resultados de 2021 e as perspectivas para 2022 mostram que a companhia está no caminho certo.” 

Numa tentativa de demonstrar confiança nas perspectivas da empresa, a Cogna disse que Galindo, Valério e o CFO Frederico Villa “apresentaram à companhia planos individuais de investimentos,” mas não publicou valores.  Segundo uma pessoa próxima ao management, o valor do investimento “é relevante para uma pessoa física.”  Em paralelo, a companhia anunciou um programa de recompra de até 5,48% do capital.

A Cogna também anunciou Rodrigo Menezes Cavalcanti como vp de experiência do aluno, Leonardo Gomes de Queiroz como vp de crescimento, e Rangel Garcia Barbosa como vp de produtos.