Os analistas do Bradesco BBI abandonaram hoje a cobertura da Cielo, a empresa de adquirência que tem o Bradesco como seu principal acionista, com 30% das ações. 

Para o mercado, o banco está sinalizando que está se “afastando” do case. 

O outro acionista relevante da Cielo é o Banco do Brasil, com 28,6% das ações.

Ano passado, o Bradesco comprou a participação do BB no Digio e ficou com 100% da fintech. Mas a atual administração do BB não teria interesse em vender a participação na Cielo. 

Depois da compra do Digio, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Jr, negou rumores sobre o fechamento de capital da Cielo, que vive um processo de ‘turnaround’ há anos. 

Antes de abandonar a cobertura, o Bradesco tinha recomendação “neutra” e preço-alvo de R$ 3. 

A ação da Cielo fechou ontem a R$ 2,19, uma queda de 93% em comparação ao high de julho de 2015.