A BlackRock atingiu 6,7% de participação direta no capital da Light e disse ter mais 1,27% por meio de derivativos. No total, tem cerca de 8%. 

O aumento da participação da BlackRock coincide com uma mudança no Índice S&P Global Clean Energy, que aconteceu na sexta-feira. 

Por conta disso, alguns ETFs, incluindo os da BlackRock, rebalancearam suas posições. Por exemplo, o iShares Global Clean Energy ETF comprou 3,8 milhões de ações da Light. Outro veículo parecido comprou outras 4,2 milhões de ações. 

O aumento de participação também acontece no momento em que a Light negocia no mesmo patamar de março de 2020, o início da pandemia.  O papel acumula queda de 44% nos últimos 12 meses. 

A meia hora do fechamento, a ação subia 9%, cotada a R$ 9,88. 

Os maiores acionistas da Light são o fundo Samambaia, de Ronaldo Cezar Coelho, que tem 20% do capital, e veículos de Carlos Alberto Sicupira, com 10%. O Verde tem outros 5%.