A Starboard vendeu mais da metade de sua posição de 20% na 3R Petroleum, a petroleira que acaba de fechar a compra do Polo Potiguar da Petrobras. 

O leilão foi intermediado pela Itaú Corretora, que havia dado garantia firme para o bloco a R$ 35,56, um desconto de 7% em relação ao fechamento de ontem.

No final, as 22,7 milhões de ações saíram a R$ 36,50 – um desconto de 4,5% – e a operação movimentou cerca de R$ 828 milhões.  Depois que a operação printou, o papel flutuou para cima, saindo recentemente a R$ 37,15.

A transação de hoje acontece depois do fim do lockup de 90 dias que se seguiu ao follow-on de novembro, e põe fim ao overhang que pesava sobre o papel.

A participação da Starboard na 3R estava distribuída em dois  FIPs: o 3R Petroleum, que tinha 11,2% do capital e teve sua posição zerada, e o Esmeralda, que tem mais 19,8 milhões de ações, ou 9,8% da empresa e continua acionista.  Ao contrário do FIP 3R, o Esmeralda é um fundo de capital permanente. 

Os outros acionistas relevantes da 3R são a família Bartelle (por meio de um veículo do BTG) com 7%; e a Gerval, o family office dos Gerdau, que tem 6%. Combinados, a Starboard e estes acionistas ainda têm 25% da companhia.

A 3R chegou à Bolsa em novembro de 2020 após a união de duas empresas que eram controladas pela gestora Starboard: a 3R Participações, criada em 2014, e a Ouro Preto, adquirida de Rodolfo Landim no final de 2019.

Desde o IPO, a ação acumula alta de 82%. 

No ano passado, a 3R anunciou as aquisições dos campos Peroá (Bacia do Espírito Santo); Papa-Terra (Bacia de Campos) e Rio Ventura (Bacia do Recôncavo). Na sexta-feira, foi finalizada a compra do Polo Potiguar da Petrobras.