Depois de recrutar Priscilla Santana para chefiar a Fazenda do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite fechou hoje o ‘núcleo duro’ de gestão de seu Governo – composto essencialmente por pessoas apolíticas e com densas credenciais técnicas.

O time – escolhido a partir de indicações de ex-ministros e tecnocratas de alto escalão – inclui gestores de carreira de Estado e uma executiva do Google.

Danielle Calazans vai liderar a Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, responsável pelo Orçamento do Estado, a elaboração e acompanhamento dos projetos prioritários do Governo, além de coordenar o trabalho das secretarias em ações transversais. 

Uma ideia é criar uma política de gestão de pessoas no Setor público, que envolve identificação de talentos e construção de linhas sucessórias nos principais cargos.

Danielle foi diretora de gestão de pessoas do Ministério da Economia de julho de 2019 até julho de 2022. Depois que saiu do Ministério, ela se tornou vice-presidente da Caixa, onde estava até agora como CEO interina.

No final de dezembro, Leite já havia anunciado Pedro Capeluppi como o Secretário de Parcerias e Concessões.

A pasta responderá pelo programa de concessões de rodovias e outras parcerias com o setor privado, envolvendo imóveis, parques estaduais e presídios.   

Capeluppi também foi Secretário Adjunto de Infraestrutura e Secretário Especial Adjunto para Desestatização, Desinvestimentos e Mercados — a secretaria especial na Fazenda que foi comandada por Salim Mattar. 

Leite também nomeou Lisiane Lemos, uma conterrânea sua de Pelotas que passou os últimos três anos no Google, como gerente de recrutamento para diversidade, equidade e inclusão. Antes, ela havia trabalhado seis anos na Microsoft. 

Lisiane tem 32 anos, formou-se em Direito na Universidade Federal de Pelotas e tem um MBA em negócios na Fundação Dom Cabral e especialização na Kellogg School.

Ela ocupará a recém-criada Secretaria de Inclusão Digital e Apoio às Políticas de Equidade.