As chances da Inglaterra sair da União Europeia diminuíram cerca de 5 pontos percentuais depois do assassinato, ontem, de uma deputada do Partido Trabalhista.
 
Há relatos de que o assassino de Jo Cox teria gritado “Britain first!”, o nome de um movimento de extrema direita favorável à tese separatista.  Cox era favorável à permanência do Reino Unido na UE. O referendo é semana que vem.
 
Esta manhã, nas casas de aposta de Londres, a probabilidade do Reino Unido ficar onde está subiu de 61% para 66%.  Mas, nas pesquisas de opinião pública, até ontem o “Vote Leave” (a favor da saída da UE) ganhava com alguns pontos de vantagem (53 x 47 na IPSOS e 45 x 42 na Survation).
 
A decisão do povo inglês terá repercussão para os mercados. O banco central americano citou o risco de ‘Brexit’ como um dos motivos para não subir os juros esta semana, e grandes nomes da indústria financeira consideram que a Brexit seria um desastre.
 
A marcha da História parece mesmo filha do acaso.