O Casino decidiu ir adiante com a venda de uma fração de sua participação no Assaí – numa transação bem menor do que esperada inicialmente.

O grupo de Jean-Charles Naouri lançou agora de manhã uma oferta de 140,8 milhões de ações, com a possibilidade de um hot issue que aumentaria a oferta em 49,5 milhões de ações.

A oferta-base equivale a 25% da posição do Casino, que é dono de 41% do Assaí. Se vender apenas a oferta-base, o grupo francês passará a deter 30,5% do grupo de atacarejo.

No preço de fechamento da sexta-feira, R$ 19,21, a oferta-base movimentaria cerca de R$ 2,7 bilhões.

A oferta será precificada amanhã e os papéis – que são listados em duas bolsas – começam a negociar na Bolsa de Nova York na quarta-feira e na B3 na quinta.

Os coordenadores são Itaú BBA (líder), BTG Pactual e JP Morgan.  O Banco BR Partners está assessorando o Casino.

Parte do crescimento do Assaí já está contratada.

No final de agosto, a empresa comprou 70 hipermercados Extra do Grupo Pão de Açúcar, com o plano de convertê-los em lojas de atacarejo.

No cronograma montado pelo CEO Belmiro Gomes, a maior parte da conversão de lojas acontece no quarto tri deste ano e no primeiro tri de 2023.

Com o macro apontando para uma inflação resistente e estagnação no próximo ano, o Assaí também é visto como um negócio resiliente e capaz de capturar parte da injeção de liquidez do Auxílio Brasil – além do potencial de entrar em índices, dado o aumento de liquidez que virá com a oferta.

A grande pergunta é se o Casino continuará vendendo sua participação nos próximos meses – o que poderia causar um overhang no papel. A oferta de hoje obriga a um lockup de 90 dias.