Mackenzie Scott acaba de doar R$ 27 milhões para a Gerando Falcões – a ONG de Edu Lyra que atua no combate à pobreza nas favelas. 

Esta é a segunda doação de Mackenzie – cujo divórcio do fundador da Amazon fez dela a terceira mulher mais rica do mundo – para uma ONG brasileira. 

Em janeiro, ela doou R$ 4,2 milhões para a Vetor Brasil. 

As conversas de Edu Lyra com a equipe de Mackenzie começaram em meados do ano passado, quando ele foi informado que um grande doador internacional estava interessado em contribuir com sua ONG.

Só agora – depois da doação ser aprovada – é que o empreendedor social soube de onde vinha o dinheiro. 

“Eles fizeram mais de quatro meses de uma diligência profunda tanto nas nossas contas quanto na nossa tese,” Edu disse ao Brazil Journal. “Queriam entender bem como estamos atuando na ponta para vencer o desafio da pobreza crônica.”

A doação é a maior da história da Gerando Falcões vinda de um doador único, mas a ONG já tem um histórico robusto de captação de recursos com instituições como a Fundação Lemann, Bradesco e o Grupo Globo. 

Só no ano passado, a Gerando Falcões arrecadou mais de R$ 110 milhões com doadores do setor privado. 

Segundo Edu, a doação de Mackenzie não é carimbada: ele poderá usar o dinheiro no que considerar mais prioritário, e a Gerando Falcões já decidiu o destino para um terço dos recursos.

Edu vai usar R$ 5 milhões para um projeto na Favela dos Sonhos, em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. 

“Queremos entregar o primeiro case brasileiro de superação da pobreza,” disse ele. “Estamos criando um projeto que chamamos de Favela 3D (digital, digna e desenvolvida).”

Para isso, a Gerando Falcões definiu junto aos moradores da comunidade os temas prioritários para atacar.

A ONG quer zerar a fila de desemprego na favela, e para isso vai assinar um pacto com a classe empresarial. Outros objetivos: zerar a fila de creches, zerar o analfabetismo e investir em infraestrutura básica, com reformas de casas e intervenção de urbanismo social. 

Mas como metrificar a superação da pobreza?

“Estamos trabalhando junto com a agência israelente Kayman, do Dan Ariely, para criar um índice da pobreza que vai levar em conta fatores como primeira infância, moradia digna e acesso à saúde,” disse Edu. “Esse índice cria uma espécie de score que vai apontar se a favela conseguiu de fato superar a pobreza.”

A meta de Edu para a Favela dos Sonhos é conseguir atingir esse objetivo em menos de um ano. 

Outros R$ 5 milhões da doação de Mackenzie serão usados para a criação de um “fundo de investimento social.” 

Esse fundo vai aplicar recursos em ideias de combate à pobreza criadas dentro do ecossistema da Gerando Falcões – que engloba 607 líderes sociais representando 3.700 favelas do Brasil. 

Edu diz que a missão da Gerando Falcões é transformar a pobreza da favela em “peça de museu” antes de Marte ser colonizado. 

Nesse sentido, o investimento de Mackenzie – cujo ex-marido tem aplicado somas estratosféricas na corrida espacial – é simbólico. 

“Ela está mostrando qual tem que ser a nossa prioridade,” disse Edu. “A missão aqui embaixo é muito mais importante!”