A BR Malls anunciou um acordo com a Vitacon para desenvolver prédios residenciais e centros médicos nos terrenos dos seus shoppings. 

A parceria envolve 20 torres em 7 shoppings do portfólio da BR Malls. A administradora de shoppings fará uma permuta do espaço em troca de parte dos projetos, que totalizam cerca de 210 mil m² de área privativa.

As conversas acontecem há mais de um ano, mas o timing do anúncio vai ajudar a companhia a mostrar o valor não realizado de seu portfólio num momento em que os acionistas tentam extrair mais valor da Aliansce Sonae na proposta de fusão entre as duas. 

A BR Malls e seus sócios nos empreendimentos que farão as permutas devem receber unidades no valor estimado de R$ 325 milhões. (Essa estimativa é para 100% dos proprietários, mas a participação média da BR Malls em seus 31 shoppings é de 65%.)

Os primeiros empreendimentos têm lançamento previsto para 2023 e as primeiras entregas estão planejadas para 2026.  

“Temos mais potencial para multiusos que estão sendo negociados com outras incorporadoras, para outros shoppings,” o CEO Ruy Kameyama disse ao Brazil Journal agora há pouco. 

Fundada há 12 anos, a Vitacon ficou conhecida em São Paulo pelos studios de 20 ou 30 m². 

Seus apartamentos compactos – com muitos serviços e áreas compartilhadas – se utilizam do conceito de co-living (serviços como academia, home theater grande, guarda-volumes, salas de coworking, áreas gourmet e outras conveniências), num momento em que os shoppings cada vez mais tentam seguir a tendência de Live+Work+Play dentro do mesmo complexo. 

O anúncio da BR Malls vem dois dias depois de a Aliansce Sonae ter informado que vai elevar sua oferta pela empresa em 11% e chamar uma assembleia de acionistas para decidir sobre a fusão das empresas. 

A BR Malls disse ontem que ainda não recebeu qualquer nova proposta ou pedido de convocação de assembleia vindos da Aliansce. 

Em meados de janeiro, a BR Malls rejeitou uma primeira proposta da Aliansce por considerar que ela subavaliava “consideravelmente” o valor justo da companhia.

Numa outra tentativa de evidenciar o valor do negócio não  reconhecido o preço de tela, no início de março a BR Malls  vendeu uma participação de 30% no Center Shopping Uberlândia. 

A transação avaliou o empreendimento em R$ 1,02 bilhão – um cap rate de 6,7% para 2022.