Quando a Americanas anunciou, no início do ano, que faria uma reestruturação operacional e societária, o mercado achou que a empresa uniria suas operações de lojas físicas e ecommerce em uma só companhia.

Mas quando a operação foi anunciada, no final de abril, a Lojas Americanas (LAME3/LAME4) foi mantida separada da nova Americanas (AMER3), que juntou a antiga B2W com as lojas de tijolo da Americanas.

Naquela transação, a Lojas Americanas tornou-se uma holding não-operacional cujo único propósito era permitir que Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira mantivessem o controle alavancado, ou seja, mandar na empresa com metade mais um do capital votante.  

Em suma: um apêndice, desnecessário e potencialmente inconveniente.

Mas depois da péssima reação do mercado — que fez a empresa perder até 57% de seu valor na mínima, em 4 de outubro — a companhia optou por uma cirurgia de apendicite. 

Esta manhã, a Americanas disse que estuda combinar suas três bases acionárias (LAME3, LAME4 e AMER3) no Novo Mercado, eliminando a holding de controle — antes de, conforme planejado, listar a empresa nos Estados Unidos. 

Ainda não há detalhes sobre a operação que, na prática, pode levar Lemann, Telles e Sicupira a perder o controle (50% do capital votante) e ficar com uma participação na casa dos 30%.

O anúncio de hoje — tão genérico que deve ter sido escrito pelos advogados da empresa — vem depois que a AMER3 subiu 11% na semana passada, enquanto o Ibovespa subiu 1,6%. (LAME3 e LAME4 subiram cerca de 6%.)

“Dá pra ver que é um fato relevante dolorido, que foi escrito e reescrito. As coisas que se diz lá, se fosse pra falar algo, teriam que falar mais,” diz um especialista em direito societário. “Talvez estivessem querendo só se cobrir, porque tem surgido muitas especulações sobre o destino deles.”

Analistas calculam que, na reorganização societária, a AMER vai incorporar a LAME, eliminando a estrutura de holding, o que poderia fazer a LAME apreciar entre 35% e 40% e seria neutro para a AMER. Na prática, a holding LASA — que hoje detém 38,8% da AMER3 — distribuiria suas 350 milhões de ações de AMER3 a seus acionistas.

O mercado acolheu com carinho o novo padrão de governança, acreditando neste cenário base em que a relação de troca se daria a preços de mercado.  

Por volta do meio-dia, LAME3 sobe 23%, LAME4, 16% e a AMER3, 3,6%.

Desde a restruturaçao inicial, LAME3 ainda cai 28% e AMER3 perde 39%.

Americanas (AMER3) vale R$ 34,8 bilhões na Bolsa, negociada a 10,3x EV/EBITDA 2022.