Senta lá, Dilma. O futuro da Eletrobras e uma amnésia seletiva

De onde menos se espera, é daí que sai ainda menos.

Depois de detonar uma bomba atômica que aniquilou bilhões de reais no setor elétrico brasileiro — sem deixar sequer uma conta elétrica mais barata para os brasileiros (seu objetivo declarado) — a ex-Presidente Dilma saiu hoje da irrelevância conquistada nos últimos meses para atacar a privatização da Eletrobras.

Numa 'tweetstorm' que mais lembrou a diarréia mental crônica de Donald Trump, Dilma rugiu:

“Vender a Eletrobras é abrir mão da segurança energética. Como ocorreu em 2001, no governo FHC, significa deixar o País sujeito à apagões [a crase é dela].”

Ao que um tuiteiro respondeu, sarcástico: "Em 2001 a Eletrobras era privatizada?"

Mas de apagão Dilma entende. Seu Governo só não produziu um em 2014 porque a Presidente estava ocupada produzindo outra coisa: a maior crise econômica da história do Brasil, que começou em 2014 e se arrastou até… anteontem. Ou seja, não tivemos apagões porque o consumo, em vez de crescer, caiu.

Mas a ‘Mãe do PAC’ continuava indignada e, como sempre, dona da verdade:

“Depois da farra da compra de votos, o governo ilegítimo anuncia meta irreal e quer vender o patrimônio do povo brasileiro para cumprí-la.” [outro acento indevido, provando que é ela mesma tuitando]

Se, como disse Samuel Johnson, 'o patriotismo é o último refúgio do canalha', o ‘patrimônio do povo brasileiro’ é o último refúgio da esquerda canalha.

Todo dia o verdadeiro patrimônio público — o cofre do Tesouro — é assaltado pelos políticos que se locupletam com as estatais, mas os políticos de esquerda e seus inocentes úteis continuam vendendo as maravilhas da propriedade estatal, como se ela gerasse qualquer benefício para o cidadão comum. Já foi dito que ‘povo não come taxa de juros’, mas não sabia que povo comia ‘orgulho’ ou ‘vaidade'.

A aula da 'presidenta' terminou com um tweet que lembra o modus operandi do batedor de carteira quando faz uma vítima: grita ‘pega ladrão' e aponta para o outro lado.

“O resultado é um só: o consumidor vai pagar uma conta de luz estratosférica por uma energia que não terá fornecimento garantido."

Santa cara de pau.

É verdade que, em virtude de sua amplamente demonstrada disfunção cognitiva, Dilma Rousseff às vezes parece inimputável. Mas quem conhece a história da destruição do setor elétrico não pode deixar que seus comentários asininos passem batido.

Aconteceu o seguinte, caso você já tenha superado o trauma:

Alguns empresários ligados à FIESP disseram a Dilma que o custo da energia no Brasil era muito alto, que era preciso reduzi-lo. 'Maravilha’ pensou a governanta. ‘Basta reduzir a margem de lucro dos donos das usinas.’

‘Como é que ninguém pensou nisso antes, brava guerreira? Genial,’ responderam os empresários que gostam de sentar no colo quentinho do Estado.

Munida de uma caneta na mão e ideias atrasadas na cabeça, Dilma editou a hoje famosa MP 579, que tentava abaixar na marra a conta de luz transformando o setor elétrico num deserto de investimentos. Em vez de incentivar o capital a construir novas usinas, Dilma tabelou os retornos das empresas, usando a desculpa de que os investimentos feitos há 30, 40 anos já tinham dado retorno suficiente. (Depois que a Apple recupera o investimento no iPhone, ela baixa o preço, né?)

Esse pensamento tacanho e anticapitalista, materializado em lei pelo poder presidencial, quebrou a Eletrobras — a empresa que o Governo ‘golpista’ trabalha há um ano para consertar — e pendurou diversas outras empresas do setor nos bancos, de onde até hoje não saíram. A dívida do setor cresceu R$ 228 bilhões como resultado da MP (mais do que o buraco fiscal estimado para este ano).

Mais do que uma idiotice, a MP 579 foi também um estelionato eleitoral: a tarifa elétrica caiu 20%, na média, entre sua publicação em setembro de 2012 e o fim de 2014. Mas em janeiro de 2015, com Dilma já reeleita, o Governo promoveu o maior tarifaço da história do setor elétrico: as tarifas subiram, em média, 50% da noite para o dia.

A privatização da Eletrobras é a decisão mais corajosa do Governo mais frágil de nossa história recente. Sequer está claro que o Governo terá força para aprovar o que precisa para realizar a desestatização antes do ciclo eleitoral de 2018. E permanece menos claro ainda se, quando o Estado for dono de apenas 20% ou 30% da Eletrobras, os políticos deixarão a empresa em paz, ou continuarão traficando seus votos por empregos para afilhados e contratos esquisitos.

Mas está claríssimo o que é certo e o errado, o que funciona e o que nunca vai funcionar. E só de ter dado o primeiro passo, o 'governo golpista’ se mostrou mais em sintonia com a sociedade e com o futuro do que a gerentona jamais esteve.