Em agosto, Scott Galloway, professor de marketing da Stern School of Business da NYU, publicou uma crítica contundente ao WeWork, chamando o valuation de US$ 47 bilhões da empresa de “insano”, “seriamente maluco” e “ilusório.”
No mês seguinte, depois que a empresa adiou seu tão esperado IPO, ele escreveu, “Os limites entre a visão, o bullshit e a fraude são bem tênues.”
Considerando os eventos nas últimas semanas, as postagens de Galloway parecem excepcionalmente proféticas. No fim de setembro, o CEO e cofundador do WeWork, Adam Neumann, foi forçado a renunciar depois que o valuation caiu US$ 30 bilhões em questão de dias. Logo depois, o WeWork retirou o pedido de IPO.
Nesta entrevista à New York Magazine, republicada com exclusividade pelo Brazil Journal, Galloway diz que o desmantelamento do WeWork será sentido por vários anos, e a coisa está apenas começando.

O que você achou da retirada do pedido de abertura de capital da WeWork? Como a empresa pode se preparar para outro IPO?

Cara, simplesmente não vai ter IPO. Eu estou me congratulando um pouco. Em 2017, eu disse que essa era a empresa mais supervalorizada do mundo, e, no início deste ano, falei que o IPO não aconteceria. Este é um ativo que está passando por dificuldades. IPO? É engraçado que as pessoas ainda estejam usando essas letras…

Quanto do problema da empresa foi resolvido quando o Adam Neumann saiu da empresa?

Neste momento, eu diria que nada. Ele e o Softbank entraram em um pacto suicida, e o Adam saltou do avião antes que ele se esborrachasse no chão. Ele puxou a cordinha. Saiu do pacto suicida com US$ 740 milhões no bolso, e agora todo mundo que ficou vai ter que atravessar essa situação até o seu final lógico que, provavelmente, será um pedido de falência.

A empresa tem caixa suficiente para atravessar o primeiro trimestre e está queimando US$ 700 milhões por trimestre. O Softbank – e, para ficar claro, o Softbank é o único investidor no mundo que vai colocar dinheiro neste momento – precisa fazer uma de duas coisas.

Ou o Softbank volta aos seus investidores e diz: “Provavelmente, estamos colocando dinheiro em algo que deu errado [good money after bad money]” e criam um argumento explicando por que ainda existe valor ali, ou a empresa vai falir.  Vai ser interessante saber se esses prédios do WeWork têm ou não personalidades jurídicas separadas, o que significa que eles podem romper os contratos ao declarar falência em cada uma das SPCs.
Em outras palavras, eles podem ter usado a tática dos hotéis: se o Four Seasons de Nova York quebra, ele é uma empresa separada, ou seja, ele declara falência e devolve o prédio ao banco, sem garantias da matriz em Toronto. Algumas matérias que eu tenho visto dizem que a empresa tem essas SPCs, então talvez eles possam fechar vários prédios.

No entanto, isso não salva o modelo do WeWork, certo? Apenas reduz a escala. A lucratividade deles depende da possibilidade de alguns prédios funcionarem e outros não?

Provavelmente há uma pequena parcela dos WeWorks que tem fluxo de caixa positivo e poderiam sustentar uma matriz com 80% de funcionários a menos. A companhia tem 15 mil funcionários; eu não vejo nenhum caminho que não inclua de 5 mil a 10 mil demissões nos próximos 60 dias. A questão seria, então, como reestruturar. Isso agora é um ativo em dificuldades que requer reestruturação imediata. O Softbank quer investir mais? Se o Softbank não quiser, eles não vão conseguir cortar custos com rapidez suficiente e haverá um pedido de recuperação judicial de acordo com o Capítulo 11 do Código de Falência dos EUA.

Se o Softbank quiser investir dinheiro, basicamente, será necessário cortar custos. Eles vão ter que fechar vários escritórios e demitir entre um e dois terços da equipe corporativa. Está havendo uma espécie de alucinação coletiva. Este é um ativo em dificuldades e em queda livre, que sem dúvida vale menos que zero, porque tudo que ele faz é queimar US$ 700 milhões por trimestre.

Por que demorou tanto tempo para que as pessoas percebessem isso? Tivemos três semanas desastrosas e ainda se discute o IPO como se fosse algo que a empresa ainda possa fazer algum dia. Por quê?

A CNBC quer ficar bem com o Jamie Dimon [CEO do JP Morgan] e com o Masayoshi Son [fundador do Softbank]. É difícil acreditar que a moça mais bonita da festa é viciada em heroína e em remédio para emagrecer. O jeito como ela caiu em desgraça neste caso foi tão dramático e, no entanto, era tão óbvio…

Parece seguro assumir que os membros do conselho já sabiam de todas as palhaçadas do Neumann que foram relatadas recentemente. Então, por que forçá-lo a renunciar agora?

Enquanto a farsa continuava, eles estavam dispostos a acompanhar. Você tem razão: as festas do Adam e o seu papo de ioga eram vistos como ‘características’ e não defeitos, até o mercado vomitar em cima de tudo. Agora, de repente, o conselho se faz de chocado: o conselho não demitiu esse cara; o conselho o empoderou. Foi a mídia e os acadêmicos que demitiram esse sujeito, junto com os investidores institucionais. A noção de que, de repente, o conselho descobriu e decidiu mudar as coisas? Basicamente, enquanto as pessoas estiveram dispostas a acreditar nessa farsa o conselho estava junto, até a música parar de tocar. Mas o fato de eles terem dois co-CEOs agora é meio engraçado.

Onde começa e termina a comparação com o Travis Kalanick?

O Travis só é culpado de ser um babaca.  O problema lá era a cultura de uma fraternity house. O mercado vai ter que decidir quão tênues são os limites entre visão, bullshit e fraude. Ninguém nunca acusou Kalanick de fraude, [mas] você vai começar a ouvir muito mais disso no WeWork. Se a Goldman Sachs disse a eles que o IPO sairia num valuation entre US$ 60 bi e US$  90 bi e a coisa vale zero duas semanas depois, a Goldman é tão estúpida assim ou recebeu informações que não eram corretas?

Há relatos de que a empresa pagava comissões de 100% para colocar inquilinos nos prédios e depois inventava um jiu-jítsu contábil para transformar essas despesas em receita. A noção de que a empresa trouxe gente para resolver os problemas que ela mesma criou – eles convidarm os piromaníacos para apagar o incêndio. A primeira coisa que eles fizeram foi vender o avião de US$ 60 milhões que o conselho ou comprou/aprovou. Ou o Adam não contou a eles sobre o avião, ou o conselho aprovou um avião de US$ 60 milhões. Quando é que um malfeito se torna fraude?

Você acha que haverá investigações?

Não sei. Para ser justo, acho que ninguém até agora acusou a empresa de apresentar números fraudulentos. Houve algumas postagens sobre a forma como eles classificavam as despesas. Não sei se é ilegal, mas o fato de alguém [Adam] ter levado três quartos de um bilhão de dólares e a empresa ter 15.000 funcionários, imagino que entre 1.000 e 3.000 deles achavam que ficariam milionários em semanas e agora não vão receber nada.

Isso vai gerar muita raiva em relação a Adam Neumann e não sei como isso se manifestará. Com certeza haverá ações civis, ações judiciais. Mas será interessante se um procurador-geral resolver ganhar notoriedade dando entrada em algum tipo de ação. Ainda não sabemos de tudo.
Adam Neumann, demitido? Ele foi é libertado. Esse cara armou a jogada perfeita. Dá para imaginar como seria a vida dele agora, se ele ainda fosse o CEO? Frequentar diariamente um lugar onde ele arranjou US$ 750 milhões, mas no qual todo mundo está preocupado como vai pagar o aluguel do novo apartamento para o qual se mudaram porque achavam que tinham US$ 7 milhões em ações da WeWork?

Isso realmente faz a gente repensar aquela imagem do Neumann, andando descalço no meio da tempestade….

Por que você não ficaria contente? Ainda sequer começamos a ver toda a raiva que será despejada sobre Adam Neumann. Ele deixou 15.000 pessoas tendo que limpar essa situação e se sentindo como palhaços, limpando as merdas feitas por Adam Neumann. Ele pegou US$ 750 milhões e deixou um lixo tóxico.

Seria este um caso de auto-ilusão?  Adam Neumann acreditava na própria história?

Não sei. Falo pela minha experiência como CEO nos anos 90, nos primórdios da Internet:  se você diz a um cara de 30 anos que ele é Jesus Cristo, ele tende a acreditar.

Você conhece Neumann?

Sim, eu o entrevistei no palco de uma conferência sobre investimentos alternativos do JP Morgan, há três anos.

E como foi?

Tudo bem. Eu achei ele um sonhador e um enrolador. É fácil dizer agora, lembro-me de dizer: “O que é que você tem aqui que é defensável?” Haverá muitas consequências, mas um dos resultados é que haverá uma reação imune que já devia ter acontecido. A narrativa tomou o lugar dos números. E acho que isso vai mudar. Já mudou. Basicamente, o Uber começou o declínio e o WeWork deu velocidade. É como se tivéssemos uma festa regada a cocaína no Studio 54 – o Uber começou a acender as luzes e, agora, elas estão tão intensas que você acha que está numa sala de cirurgia. Basicamente esses caras cagaram na fonte do IPO.

Quais outras empresas ainda estão no Studio 54 neste momento?

Há muitas no portfólio do Softbank. Wag, Compass… Essas coisas são meio insanas. A Peloton está sendo arremessada, por assim dizer, porque é mais daquele papo de ioga.  “Entregando felicidade”. É uma boa empresa, apenas está supervalorizada. O mercado está dizendo que, depois do WeWork e do Uber, há dois tipos de unicórnios: os que estão supervalorizados e os que estão indo a zero.

Só podemos culpar esses CEOs carismáticos em parte. E os investidores?

Há várias coisas acontecendo aqui. Uma é resultado do mercado: ele está super líquido, há mais capital do que empreendedores. Qualquer empreendedor que tiver uma visão, vender um potencial e convencer as pessoas de que pode ser o próximo Google ou Facebook consegue atrair bilhões de dólares agora. A realidade é que tem muito dinheiro por aí.

[Por outro lado] os fundadores bateram no teto com Travis Kalanick. Agora, sempre há uma tensão entre o capital e os fundadores em relação a quem tem poder. Desde Steve Jobs e Bill Gates, lenta mas seguramente o pêndulo oscila na direção do fundador. Nos anos 90, os fundadores não conseguiam sobreviver. Éramos considerados malucos a ser devidamente afastados assim que a empresa se firmasse, quando então algum CEO da PepsiCo de 55 anos assumiria o comando como o verdadeiro CEO.
Mas aí, quando o Steve Jobs foi demitido e uma série de caras de cabelos grisalhos entraram e quase quebraram a empresa, e ele voltou e levou a Apple de US$ 3 bilhões para US$ 300 bilhões, aquilo mudou a percepção de todos sobre os fundadores. Na sequência, Bill Gates levou a Microsoft de zero para US$ 500 bilhões. Gates e Jobs mudaram por completo como o mercado via os fundadores e o equilíbrio de forças voltou para eles. Os fundadores eram vistos como visionários e o DNA da empresa. Agora tivemos outro pico e o pêndulo vai voltar. É um desastre.

Qual é a maior aprendizado desse caso do WeWork?

A grande história aqui é o Softbank. O WeWork é a infecção oportunista que vai matar o Vision Fund One. Não dá pra consertar. Somados, Uber e WeWork são US$ 20 bi dos US$ 100 bi. Provavelmente, um vai de US$ 11 bilhões pra zero – o WeWork. É difícil imaginar que seja possível recuperar o capital dos investidores. O WeWork é o marco zero. Se a única maneira dele sobreviver é uma estratégia deliberada para torná-lo uma sombra de si mesmo – demissões em massa, reestruturação em massa – só há isso a fazer.

JP Morgan e Goldman Sachs? Esses caras estavam prestes a receber US$ 130 milhões em comissões e em seguida incentivar seus analistas a dizer aos gestores de patrimônio que aquilo valia de US$ 40 bilhões a US$ 60 bilhões. E, de acordo com a Goldman, valia de US$ 60 bilhões a US$ 90 bilhões! O que isso diz sobre eles? O que acontece agora com o mercado de imóveis comerciais de Nova York e Chicago, onde o WeWork era o maior e o segunda maior inquilino? O que acontece com os IPOs? As repercussões vão ser bem dramáticas.
O Softbank e todas essas pessoas inteligentes tinham essa companhia no balanço a US$ 47 bilhões, mas ela foi a zero em 30 dias. Isso é uma destruição de valor maior do que as três empresas do S&P que mais caíram este ano: a Macy’s, a Nektar Therapeutics e a Kraft Heinz. As três ações com pior desempenho no S&P 500 tiveram uma perda de valor tímida em comparação com a destruição do WeWork.
Mas há um lado positivo. O mercado entrou em cena. Houve os ‘disclosures’ obrigatórios que a SEC exige no formulário inicial S-1. A autópsia do WeWork vai dizer, “morte por S-1”. A mídia e os acadêmicos leram o S-1 e começaram a aplicar aquela capacidade de premonição incrível chamada “cálculo matemático”. Basicamente, o que aconteceu foi que os funcionários da We (que não tiveram a chance de vender suas ações), o Softbank e outros investidores institucionais perderam juntos US$ 47 bilhões.
Se essa alucinação coletiva tivesse durado mais 60 dias, os investidores de varejo teriam tido essa perda.  Então, essa é a boa notícia: o mercado está funcionando. Enquanto isso, no Uber, a alucinação continua. Eles tem que manter a ilusão de crescimento, a narrativa. Sem a narrativa do crescimento, a empresa vale 20% do que vale agora. Acho que isso vai tirar de 50% a 80% do valor deles nos próximos 25 meses. O WeWork pode começar do zero. Se eles agirem rápido, ainda podem ser uma empresa de co-working boa e bonitinha. O Uber tem que manter a alucinação, sem chance de sucesso.
© 2019 Intelligencer/New York Media LLC.

Republicado pelo Brazil Journal mediante a aquisição de direitos.