A Rede D’Or está buscando R$1 bilhão numa oferta pública de certificados de recebíveis imobiliários (CRIs). 

A maior rede hospitalar do Brasil vai usar os recursos para se reembolsar o investimento em obras de expansão e infraestrutura em 21 imóveis e para financiar novas obras em outros três. Uma novidade nesse CRI é que a Rede D’Or também vai usar o dinheiro para o pagamento de aluguéis de alguns empreendimentos. 

A operação tem três séries, com pagamentos de juros semestrais.  

A primeira vence em 2027 e paga 106,5% do CDI. A segunda vai até 2029 e terá rendimento máximo entre NTN-B 2028 + 0,4% e IPCA + 6,23%. A terceira tem prazo mais longo, dez anos, e terá rendimento máximo entre NTN-B 2030 + 0,5% e IPCA + 6,36%.  

A Rede D’Or fechou 2021 com um índice de dívida líquida/EBITDA de 2,6x. O prazo médio da dívida da empresa é de 5,9 anos. 

A oferta poderá ser aumentada em até 20% em função da demanda. O encerramento do período de reserva para compra dos CRIs  é em 24 de maio. A liquidação da operação será em 15 de junho. 

A emissão tem rating AAA.br dado pela Fitch. 

A oferta é coordenada pela XP (líder), Itaú BBA e Safra. A securitizadora é a OPEA.