A Itajubá Investimentos — especializada em distribuir produtos financeiros para fundos de pensão e family offices — está deixando de ser um agente autônomo para se tornar uma DTVM.

A mudança de personalidade jurídica aumenta a flexibilidade da firma na distribuição de produtos como crédito e reduz a complexidade na distribuição de fundos de investimento. 

Fundada há 13 anos por Carlos Garcia e Agnaldo Andrade, dois ex-executivos da Icatu, a Itajubá já distribuiu mais de R$ 20 bilhões em fundos e produtos de crédito para fundos de pensão, seguradoras e family offices. A meta é chegar a R$ 100 bilhões nos próximos cinco anos, na medida em que o juro baixo alimenta a busca por yield. 

“O Brasil está subcomprado em crédito. A exposição dos fundos de pensão brasileiros a produtos de crédito é uma das menores do mundo,” diz Garcia. 

Responsável por trazer para o Brasil fundos da Oaktree, de Howard Marks, e da Bridgewater, de Ray Dalio, a Itajubá fecha contratos de exclusividade com as administradoras de fundos para distribuir seus produtos para sua base de clientes.

Hoje, a empresa atende 250 fundos de pensão e seguradoras, além de cerca de 200 family offices.