A Locaweb está comprando a Bling, um sistema de gestão para e-commerces e PMEs, entrando em um novo segmento e aumentando as possibilidades de ‘cross-sell’ para seus mais de 400 mil clientes.

A ação chegou a subir 9% na abertura, mas por volta de 10:50 hs operava em alta de 5%.

A Locaweb está pagando R$ 524 milhões pela Bling, que teve um ARR (annual recurring revenue) de R$ 60 milhões em março. 

Fundada em 2009 em Bento Gonçalves, a Bling opera no modelo de software as a service (SaaS) oferecendo soluções que ajudam na gestão do negócio com módulos para emissão de notas fiscais eletrônicas, catálogo de produtos e estoques e gestão financeira. Há ainda 200 integrações com plataformas de e-commerce, marketplaces e soluções logísticas. No ano passado, a Bling também lançou uma conta digital atrelada a seu sistema de gestão. 

A Locaweb está pagando um múltiplo salgado, mas ainda menor do que seu próprio múltiplo na Bolsa. 

A Bling está saindo a 8,7x EV/vendas, comparado às 17x da Locaweb, nas contas do BTG Pactual. O múltiplo deve comprimir com o forte crescimento da Bling, que cresceu seu ARR em 79% nos últimos doze meses terminados em março e em 62% sua base de clientes pagantes. 

Mas uma fonte próxima à transação disse que este múltiplo não reflete exatamente a realidade porque a Locaweb está usando a Bling para adquirir a Pagcerto, uma plataforma ‘white label’ de subadquirência e ‘banking as a service’ cuja receita não está sendo colocada na conta. A transação será feita pela Bling após a conclusão de sua compra pela Locaweb. 

A aquisição da Bling também envolve ‘earnouts’ atrelados a metas de receita líquida da Bling, que também devem alterar os múltiplos da aquisição. 

Antônio Nodari, o fundador da Bling, permanecerá como CEO da operação. 

Segundo a Locaweb, uma parcela relevante dos clientes da Tray (sua plataforma de criação de ecommerce) já usam alguma solução de ERP, sendo que a Bling é a que tem a maior penetração nessa base — o que abre caminho para que todos os novos clientes da Tray já nasçam integrados com a plataforma.

A aquisição de hoje — a décima do CEO Fernando Cirne desde o IPO da Locaweb em fevereiro do ano passado — é a maior da história da companhia. Em outubro, ela pagou R$ 180 milhões por 100% da Vindi, que processa e faz a gestão de pagamentos recorrentes para empresas como Exame, Empiricus e Resultados Digitais.