Uma assembleia de debenturistas de Furnas deu mais um passo para remover um dos últimos obstáculos à privatização da Eletrobras.

Os debenturistas de Furnas precisam aprovar um waiver para que Furnas faça um aporte na Usina de Santo Antônio – o contrato da dívida proíbe Furnas de fazer aportes em SPEs acima de determinado valor.

Os debenturistas estão divididos em duas séries. 

A primeira, mais concentrada nas mãos do Bradesco, conseguiu o quórum de 50% e aprovou o waiver

A segunda série, mais pulverizada, teve 33,66% de quórum e não pôde deliberar.  A boa notícia: na segunda convocação, marcada para o dia 6, o quórum é de apenas 30%, e a aprovação é por maioria simples.

O Bradesco BBI está conduzindo o processo. 

O waiver vai permitir que Furnas, que detém mais de 40% da usina, faça um aporte de R$ 1,5 bilhão para cobrir um rombo na Santo Antonio. 

Mas mais importante ainda, o waiver é condição precedente para o aumento de capital que vai privatizar a Eletrobras. Com a precificação da oferta marcada para o dia 9, tudo indica que a aprovação vai passar raspando.