A ação da Cielo opera em alta de 13% depois da empresa anunciar que vendeu a Merchant E-Solutions (MeS) – sua companhia americana de soluções de pagamento – para a Sam I Acquisition, subsidiária da Integrum, por US$ 290 milhões.

O papel negocia ao redor de R$ 2,87 pouco antes das 13 horas. 

A Integrum é uma firma de investimentos fundada em meados do ano passado por Tagar Olson, um veterano de private equity; Ursula Burns, a ex-chairman e CEO da Xerox; Declan Kelly, chairman e CEO da Teneo; e Richard Kunzer, ex-head de relação com investidores da BC Partners. 

A Cielo vai se beneficiar com a entrada do caixa e se livrar de uma empresa que vinha entregando resultados fracos. A Cielo disse que a venda faz parte de sua estratégia de focar no core business no Brasil. 

A Cielo pagou US$ 670 milhões pela MeS em 2012. Na época, o valor representava 4% do market cap da empresa, que disse ter ambições de entrar no mercado americano. 

Mas o negócio acabou sendo um fardo.  Segundo os analistas do BTG Pactual, a operação elevou o endividamento da Cielo, que vinha sangrando R$ 50 milhões por trimestre por conta de amortização e despesas financeiras.

Além disso, a MeS vinha reportando resultados fracos, e vários investidores avaliavam que a Cielo deveria se desfazer do negócio. 
 
Do total da transação, a Cielo vai receber US$ 140 milhões (48%) no fechamento da operação – só esse valor representa cerca de 10% do market cap da Cielo, de US$ 1,32 bilhão (R$ 6,8 bilhões). 

A operação ainda prevê um earnout de até US$ 150 milhões.  Considerando que a Cielo já realizou uma série de impairments nos últimos anos por conta da aquisição, o BTG não espera impacto no resultado.