A Camil vai investir numa termelétrica movida a biomassa que vai aproveitar a casca de arroz para gerar energia — aumentando sua capacidade de geração própria com fontes renováveis.

Para financiar o investimento, a maior comercializadora de arroz do País emitiu uma debênture verde de R$ 150 milhões. O selo verde foi dado pela Sitawi, a principal certificadora de ‘green bonds’. 

Segundo a empresa, “a casca do arroz tem alto poder calorífico e regularidade térmica próprios para a produção de processos termelétricos, sendo uma alternativa mais sustentável em comparação aos combustíveis fósseis.”

Além de gerar energia limpa, o aproveitamento da casca também ajuda a reduzir a quantidade de resíduos gerados pela companhia.

No Brasil, 95% da energia consumida pela Camil já vem de fontes renováveis. No ano passado, 43% desse total veio de geração própria. 

A empresa disse que a nova termelétrica só deve entrar em operação em 2023.