A Minerva Foods acaba de completar um ano desde o anúncio de sua estratégia de sustentabilidade, em que a companhia estabeleceu metas a serem cumpridas até 2035, quando prevê neutralizar 100% de suas emissões de carbono. 

Muitas das ações previstas já foram não só concluídas como antecipadas.

Um dos itens da lista é o avanço no monitoramento de fazendas fornecedoras diretas nos países da América do Sul, onde a companhia atua. A Minerva já monitora 100% de seus fornecedores no Brasil desde 2020, e no ano passado foi pioneira ao atingir o mesmo marco no Paraguai. Somando os dois países, já são mais de 26 milhões de hectares.

Além disso, a companhia já monitora mais de 30% das fazendas na Colômbia e 90% na Argentina. Com isso, a Minerva segue adiantada na meta prevista para esses países: 100% de monitoramento na Colômbia até 2023 e na Argentina até 2030.

Quatro meses antes do previsto, a Minerva também foi a primeira empresa do setor a integrar aos seus sistemas internos o Visipec, uma ferramenta de rastreabilidade que funciona de forma complementar à sua tecnologia de monitoramento, avaliando riscos de fazendas fornecedoras indiretas na Amazônia.

Falando em monitorar a cadeia, a empresa investiu em novas soluções para atuar em colaboração com seus fornecedores no esforço de combate às mudanças climáticas e ao desmatamento ilegal. Em parceria com a Niceplanet Geotecnologia, a Minerva lançou o SMGeo Prospec, o primeiro aplicativo de verificação de fornecedores, transferindo a mais alta tecnologia utilizada dentro da indústria para a palma da mão do produtor. Com o app, os fornecedores podem monitorar a conformidade socioambiental de seus próprios fornecedores (chamados de fazendas fornecedoras indiretas) – assim, a Minerva reduz riscos relacionados a animais que tenham vindo de áreas que não atendem normas e legislações socioambientais.

Tamara Lopes, gerente executiva de sustentabilidade da Minerva, comenta que “ainda há desafios a serem superados e metas a serem alcançadas, mas estamos animados com os avanços conquistados nesse primeiro ano. O interessante é ver como estamos sendo eficientes no engajamento da cadeia produtiva, colaborando para a melhora do ecossistema pecuário em todo o continente e, claro, com um futuro mais sustentável do planeta”.

Tendo a descarbonização como principal pilar em sua agenda ESG, a Minerva segue com iniciativas de impacto no setor, como a exportação de seu primeiro produto carbono neutro, a partir do Uruguai, realizada em maio deste ano.

Ainda na linha da descarbonização, a Minerva estabeleceu parceria com a Embrapa para a medição do balanço de gases de efeito estufa em propriedades na safra 20/21. Os resultados mostraram que as 22 propriedades rurais participantes, que forneceram 12% do volume comprado no Brasil em 2021, adotam práticas sustentáveis, especialmente no manejo para melhorar a pastagem e na implantação de sistemas integrados, que possibilitam o sequestro de carbono no solo. Metade dessas fazendas tiveram um balanço negativo de emissões, ou seja, sequestraram mais carbono do que emitiram no ano do estudo.

A Minerva também criou a MyCarbon, uma subsidiária que desenvolve projetos de originação de créditos de carbono e atua na comercialização deles. O negócio apoia empresas a neutralizarem suas emissões de forma segura, transparente e, claro, sustentável.