A Bradesco Asset Management (BRAM) está lançando seu primeiro fund of funds de investimentos alternativos junto a investidores do varejo.

O Explorer – que vai investir em fundos de private equity e venture capital – está buscando R$ 250 milhões com investidores qualificados para colocar em seu portfólio fundos de 15 a 20 gestoras. Segundo o prospecto, o fundo já tem compromisso de investimento em fundos da Crescera, Lightrock e Iporanga.

O Explorer vai investir 60% dos recursos em fundos de private equity; 20% em fundos de VC e 20% em gestoras que se dedicam a “investimento de impacto”, seja em PE ou VC.

O fundo vai buscar a diversificação entre gestoras, safras de investimento, setores e estratégias. 

A aplicação mínima é de R$ 25 mil. A remuneração-alvo é de IPCA + 15%. O fundo é fechado, tem prazo de 10 anos e deverá fazer os investimentos em três anos. A taxa de administração é de 1,15% ao ano – após o período de investimento, a taxa cai 0,10 ponto percentual ao ano até o encerramento do fundo. 

O fundo já fez uma captação de R$ 145 milhões via esforços restritos de distribuição com investidores profissionais – no total, após a oferta pública que inclui o varejo, deverá ter cerca de R$ 400 milhões. 

O gestor do fundo é Luiz Eugênio Figueiredo, que também é o responsável pelos investimentos alternativos da BRAM e cuja carreira em private equity inclui 14 anos de Rio Bravo e outros quatro no BNP Paribas.