Na Eletrobras, verdades sejam ditas: 'vagabundos', 'safados' e privilégios

Wilson Ferreira Jr.Se ainda houvesse dúvida sobre como é difícil consertar uma estatal, bastaria ouvir o que disse o CEO da Eletrobras numa conversa com sindicalistas cujo áudio foi obtido pela repórter Fernanda Nunes, da Broadcast.

No início do mês, Wilson Ferreira Jr. conversava com os sindicalistas da empresa sobre um plano de demissão voluntária quando sofreu a pior das indigestões e... vomitou a verdade:

“São 40% da Eletrobrás… 40% de cara que é inútil, não serve para nada, tá aqui ganhando uma gratificação, um telefone, uma vaga de garagem, uma secretária. Vocês me perdoem. A sociedade não pode pagar por vagabundo, em particular no serviço público!”

Em outro trecho da conversa, Wilson diz:

“Nós temos muito mais gerente do que devia… E nós temos um monte de safado — lamentavelmente — que ganha lá 30, 40 pau (mil reais). Tá lá em cima... sentadinho... não tá nem aí com a situação sua e tá querendo que você venha aqui e arrume um jeito [de ele ficar] porque ele sabe que ele tá fora! E tem muito... E tem muito..”

Mas talvez o diálogo mais chocante — e verdadeiramente revelador de como as coisas funcionam no intestino da estatal — foi o desabafo feito por um sindicalista ao presidente da empresa:

“Desculpa, Wilson. Mas olha, nós não concordamos com isso não. O problema é o seguinte, cara: é que infelizmente … quando vem o ferrão, não pega esses caras porque eles têm padrinho, ‘bicho’! Pega é a gente aqui!”

Wilson tenta dizer que haverá justiça: “Nããããooo, não vai pegar não.... Não vai pegar.”

Aí está. Neste diálogo honesto de parte a parte está aquele momento mágico em que capital e trabalho se encontram: os dois tentando produzir alguma coisa, mas sendo sabotados pelo apadrinhado político — esta variável desnecessária, custosa e imoral, este atravessador da riqueza, pirata da produtividade, fungo que coloniza tudo que é estatal. (Sem falar nos contratos superfaturados, nas obras inchadas, nos investimentos que nunca darão retorno — tudo comandado por gabinetes em Brasilia e lavado por operadores na Faria Lima.)

Segundo a Broadcast, os adjetivos usados por Wilson geraram "mal-estar na empresa, a ponto de o executivo se ver obrigado a gravar uma fala na televisão interna pedindo desculpa pela ‘veemência'."

Em resposta, os sindicatos reclamaram de 'assédio' e fizeram uma greve de 24 horas na quarta-feira — mas é claro que você não notou.

Caro Wilson: Não peça desculpas por falar a verdade. Você não generalizou. O problema é que é realmente sistêmico. Por favor, não esmoreça no esforço de consertar o que está errado na empresa, até que apareça um Governo corajoso o suficiente para vender a Eletrobras, colocar os apadrinhados na rua, e focar os recursos escassos no que realmente importa para o cidadão: escola, hospital, polícia e metrô.

Caros funcionários da Eletrobras: Não desistam de sublinhar a diferença entre os que realmente dão duro e os outros que estão aí por causa do PMDB, do PT, do PP... sugando a riqueza que vocês geram e enterrando a Eletrobrás na ineficiência e na mediocridade. Vocês, os que realmente trabalham, são tão vítimas quanto o contribuinte brasileiro.