Comida online: Testando modelo, Nestlé compra um pedaço da Freshly

Prontos para mais um capítulo do seriado, “Empresas gigantescas financiando startups potencialmente disruptivas para aprender a inovar ou simplesmente fazer um hedge do modelo de negócios” ?

No episódio de hoje: a Nestlé acaba de adquirir uma participação minoritária na Freshly, uma startup em modelo de assinatura que entrega comida pronta saudável nos EUA.

A companhia suíça, que trocou de CEO recentemente, está liderando uma rodada de investimentos de US$ 77 milhões na Freshly, mas não divulgou o tamanho exato do investimento nem a participação adquirida.

O mercado de comida online nos EUA já é de US$ 10 bilhões.

Hoje, a Freshly tem sede em Nova York mas sua operação é toda baseada no Arizona. A nova rodada de investimento vai viabilizar a construção de uma nova cozinha industrial e de um novo centro de distribuição na Costa Leste já no ano que vem — um passo crucial para que a empresa possa atender o País inteiro. A Freshly tem dois anos de vida e cerca de 400 funcionários.

A planta atual, em Phoenix, permite que a empresa atenda 40% de seus clientes potenciais. Depois que a cozinha de Maryland estiver pronta, a Freshly poderá atender 93% da população americana.

O modelo da Freshly funciona assim: o consumidor escolhe o prato que quer comer — há mais de 30 opções no site da empresa, todas sem glúten e sem açúcar refinado, e as opções mudam toda semana. Os chefs da Freshly preparam o prato na hora e a companhia entrega na casa do cliente. A comida nunca é congelada, mas, na melhor tradição americana, você tem que esquentá-la por 3 minutos no forno microondas antes de comer.

Há planos de assinatura de 4 a 12 refeições por semana, cujos preços variam de US$ 49,99 a US$ 107,99 por semana.

"Embora a maioria das escolhas alimentares ainda sejam feitas nos supermercados, é claro que os consumidores estão respondendo a um crescente universo de opções ‘direct to consumer' tornadas possíveis através da inovação,” disse o chairman e CEO da Nestlé USA, Paul Grimwood. "Adquirir uma participação na Freshly não só nos dá acesso a este mercado em crescimento, mas também traz benefícios recíprocos para ambas as empresas.”

Ele disse que a Nestlé aprenderá com o ‘advanced analytics’ e a rede de distribuição 'altamente eficaz' da Freshly, enquanto esta se beneficiará do P&D da Nestlé, bem como da expertise em nutrição e o sourcing da companhia suíça.

Já discutimos aqui sobre os vários modelos de negóco das startups de delivery de comida. Três empresas já são listadas: GrubHub, JustEat (dona de 40% do iFood) e a Takeaway.com. A Blue Apron está tentando fazer seu IPO decolar, e a Delivery Hero e a alemã HelloFresh querem fazer o mesmo.