Com bolsas e cursos, RenovaBR quer reciclar o Congresso

Mas fundo não financiará campanhas

Ninguém sabe exatamente como consertar o Brasil, mas um grupo de empresários tem um palpite de por onde começar: romper o ciclo vicioso que coloca sempre os mesmos candidatos – ou seus parentes e apadrinhados – na urna, e garantir que os novos eleitos estejam preparados para o desafio.

Lançado na sexta-feira, o RenovaBR tem uma proposta singular: dar formação técnica e bolsas de estudo para que pessoas que nunca se elegeram possam concorrer ao Legislativo em 2018. O foco é em deputados federais e estaduais. Ao contrário do que foi reportado por alguns veículos, o fundo não vai financiar as campanhas de candidatos.

Num momento em que o caos político está jogando o País numa polarização simplista e perigosa, os líderes do Renova dizem não querer impor uma agenda. Candidatos de todos os partidos e movimentos, da esquerda à direita, são bem-vindos e podem se candidatar às bolsas; as inscrições vão até dia 31 de outubro.

“Não queremos pautar candidatos. Quem tem que pautá-los são os movimentos e a sociedade”, diz Eduardo Mufarej, sócio da Tarpon, CEO da Somos Educação e idealizador do projeto. No processo seletivo, que inclui testes online e entrevistas presenciais, apenas alguns pontos básicos serão avaliados, como a aderência do candidato à gestão fiscal responsável e o respeito às liberdades individuais.

No evento de lançamento do projeto, no Google Campus, em São Paulo, potenciais candidatos a deputado pela Rede e pelo Partido Novo dividiram o mesmo palco para contar suas experiências. Na plateia, membros de movimentos como o Vem Para Rua dividiam espaço com ativistas da causa negra e feministas, que trabalham por mais diversidade na política.

Criado numa família ‘razoavelmente politizada’, Mufarej é filho de uma antiga ativista do PT que participou da Apeoesp, o sindicato de professores de São Paulo. “Isso quer dizer que eu concordava com ela em tudo? Não. E que eu discordava de tudo? Também não. Tem gente boa nos diferentes espectros. Nos últimos tempos, a sociedade perdeu completamente a capacidade de dialogar.”

A preocupação com a política não nasceu agora. Conselheiro do Centro de Liderança Pública (CLP), uma instituição sem fins lucrativos que treina prefeitos e outros políticos já eleitos, Mufarej diz que a necessidade de renovação dos quadros políticos lhe atormentava há anos.

O Renova começou a ganhar corpo em abril, quando o tema praticamente dominou as discussões da Brazil Conference, que reuniu acadêmicos, empresários e lideranças políticas em Harvard. No mês seguinte, a eleição de Emmanuel Macron na França e a ascensão de seu recém-criado partido En Marché no Congresso deram força à ideia.

A partir de então, um grupo, inicialmente liderado por Mufarej e Humberto Laudares, professor do CLP, começou a se encontrar semanalmente para desenhar o projeto.

Ao todo, reuniram 35 voluntários, num ecumenismo que abarca desde Colin Butterfield — ex-CEO da Radar e um dos fundadores do Vem pra Rua, que liderou as manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff — a Angela Cignachi, advogada especialista em direito eleitoral que assinou a defesa da então presidente quando o PSDB contestou seu mandato após a eleição de 2014.

Anna Lívia Arida, advogada ativista pelos direitos humanos e filha de Persio Arida; Lucas de Aragão, da consultoria política Arko Advice; e Wolff Klabin, empreendedor social e sócio da Klabin, também estão no time que idealizou e coordena o projeto.

O RenovaBR vai escolher 150 candidatos que receberão uma bolsa para se dedicar exclusivamente a pensar em seu projeto político – e, por isso, terão que abandonar emprego e qualquer outra função executiva.

“Tem muita gente boa querendo entrar na política mas que não tem condições de abrir mão do emprego porque precisa pagar as contas. Não dá para pensar num projeto e numa campanha tendo uma hora por dia para se dedicar a isso”, diz Mufarej.

Os valores ainda não estão fechados, mas devem girar entre R$ 5 mil e R$ 7 mil/mês – o benchmark foram os salários de programas de trainee e bolsas de universidade de ponta.

De janeiro a junho do próximo ano, os escolhidos receberão um curso com dois módulos. O ciclo básico, obrigatório, terá disciplinas como práticas anticorrupção, gestão pública transparente e sustentabilidade. No ciclo eletivo, o candidato poderá escolher matérias específicas de acordo com sua plataforma, como educação ou saneamento, por exemplo, além de competências que podem lhe ajudar durante a campanha, como comunicação, liderança adaptativa e gestão de redes sociais.

O funding para o curso e as bolsas ainda não foi levantado, mas, segundo Mufarej, várias pessoas já o procuraram para doar “de R$ 100 a dinheiro suficiente para bancar quase todo o projeto.” Nomes como Luciano Huck, Armínio Fraga e Nizan Guanaes já apareceram na mídia como potenciais doadores, mas Mufarej garante que, por enquanto, eles apenas 'endossam o projeto'.

A reação do mundo político, como era de se esperar, veio a galope. Na semana passada, quando começaram a pipocar na imprensa as primeiras notícias – ainda truncadas – sobre o movimento, o deputado Jorge Solla, do PT da Bahia, encaminhou um pedido oficial à PGR para suspendê-lo, acusando-o de ser uma forma de driblar a lei que proíbe a doação de pessoas jurídicas a campanhas eleitorais.

“A gente até esperava algum tipo de reação, mas o engraçado é que ela veio antes mesmo de o projeto ser apresentado”, diz Mufarej. "Não estamos falando de financiamento, mas de bolsa. Não tem nada a ver com dinheiro de campanha".

De acordo com ele, os bolsistas sequer terão o compromisso oficial de saírem candidatos. "O cara pode vir aqui e descobrir que não é isso que ele quer, quer não está preparado, técnica ou emocionalmente", diz. Por enquanto, não há uma meta do número de candidatos a serem eleitos: "Acho que certamente vamos errar no meio do caminho, mas esperamos mais acertar do que errar".