3G pode fazer oferta hostil pela Unilever, diz analista

Até meados de agosto, o hiato de seis meses exigido pela lei britânica que regula aquisições terá passado, e a Kraft Heinz poderá voltar a fazer uma oferta pela Unilever — desta vez, uma oferta hostil.

Esta é a tese do analista Pablo Zuanic, da corretora Susquehanna International Group, numa nota para clientes publicada ontem à noite. Ele diz que as chances de uma oferta hostil são de 'mais de 75%'.

"O impedimento para a Kraft Heinz (HKC) voltar a fazer uma oferta pela Unilever não é o CEO da Unilever, Paul Polman, nem a primeira-ministra britânica Theresa May, nem as agências antitruste. É Warren Buffett — que, como se sabe, diz que prefere ir apenas onde é bem-vindo. Com um investimento de US$ 30 bilhões na KHC (que valerá muito menos sem outra aquisição), achamos que ele mudará de ideia (a 3G teve seis meses para defender este argumento)."

Warren Buffett“Achamos significativo que a KHC não tenha feito nada (em termos de M&A) nos últimos cinco meses; e achamos que a 3G/KHC não pode tolerar essa rejeição/derrota se planeja continuar a consolidar o mercado de produtos de consumo (a Anheuser-Busch InBev nunca desistiu, ao fazer suas diversas ofertas ao longo dos anos).”

"A Unilever continua a ser um bom alvo; com ela, a KHC cresce em alimentos e constrói uma plataforma de produtos para casa e cuidados pessoais (ou ‘HPC’) — certamente é um alvo melhor do que uma companhia de HPC puro (o boato de uma oferta pela Colgate provavelmente foi apenas um bom despiste).”

O valor de mercado da Unilever hoje é de US$ 162,8 bilhões — 14% (US$ 20 bilhões) acima da oferta original da KHC em meados de fevereiro, que avaliou a Unilever em US$ 143 bilhões.

Zuanic acha que a KHC teria que pagar um prêmio de 20% sobre o preço atual da ação da Unilever para conseguir liquidar a fatura. Assim, uma compra que poderia ter custado US$143 bilhões seis meses atrás agora sairia por US$ 200 bilhões.

Assumindo que a KHC use 25-35% de capital próprio na oferta, Zuanic acha que a compra poderia aumentar os lucros da KHC em cerca de 20% (assumindo que as novas ações a serem emitidas pela KHC sejam vendidas a um desconto; mas, se conseguir fazer um aumento de capital a preços de mercado, o aumento do lucro pode ser muito maior).

Zuanic imagina que a 3G e a Berkshire coloquem de US$10 bilhões a US$ 12 bilhões cada um, que a Berkshire empreste mais US$$ 10 bi via ‘preferred shares’ à KHC; e que a Kraft-Unilever venda de US$ 25 bi a US$ 35 bilhões em ativos.

Com isso, a relação dívida líquida/EBITDA da nova empresa poderia ficar abaixo de 5x depois da fusão.

A ação da Kraft cai 9% nos últimos três meses, enquanto um grupo de cinco empresas no mesmo setor anda 'de lado' no mesmo período.

SAIBA MAIS

Kraft Heinz faz oferta pela Unilever

Kraft Heinz retira oferta pela Unilever

Warren Buffett conta como a Unilever rejeitou a Kraft Heinz